Doenças dermatológicas ocasionadas por questões emocionais
Publicado em: 22/05/2015 às 16h26

Imagem: Google™ / iPele   Imagem ilustrativa
Quais são as doenças dermatológicas causadas por questões emocionais? urticária, vitiligo e psoríase são algumas dessas doenças? 

Essa  questão envolve dois tipos de condições: 1 - as Doenças dermatológicas com influencia de fatores emocionais nas quais os fatores emocionais intervem frequentemente no desencadeamento do quadro clinico como nos eczemas,na acne,na urticária crônica,no rubor facial de algumas pessoas e até nas verrugas que, por estímulos psicológicos (promessas, simpatias e outras sugestões) ocorre eventualmente a cura  levando ao seu desaparecimento. 2 - Dermatoses com eventual influencia de fatores emocionais (o que pode ser até coincidente) como o vitiligo,psoriase, alguns tipos de queda dos cabelos e outras doenças que, por sua evolução crônica, podem apresentar agravamento ou melhora coincidindo com   presença ou não de tensões emocionais.

Existe alguma doença de pele mais comum em pessoas estressadas e com raiva?

Sim. Existem algumas como a neurodermite localizada na qual por estímulos emocionais a pessoa se coça com vigor provocando a lesão que, por sua vez, agrava a sensação de coceira e,nessa interação, há continuo agravamento do quadro que, se não tratado adequadamente, torna-se crônico. Outra é a chamada acne necrótica na qual o ato de ficar coçando com violência a face  e couro cabeludo geram lesões escoriadas. Outra é o prurido nas regiões anal e genital sem uma causa definida, que eventualmente pode ter um componente emocional como agravante ou desencadeante.

O que é urticária nervosa? Como se manifesta na pele? como é o tratamento? 

Também  chamada de Urticária Factícia é um estado de irritabilidade da pele encontrada em situações psicossomáticas e até em algumas neuroses. Há queixas de coceira intensa e escoriações lineares ou mais dispersas causadas pelo ato de coçar. Importante antes de rotulá-la com emocional, afastar alguma causa orgânica que necessita ser corrigida.

É comum a pessoa raivosa ficar com hematomas sem ter se machucado (o chamado roxo de raiva)? 

Acredito que essa pergunta se refere mais a uma tendência de algumas pessoas que,quando ficam muito nervosas ou ficam avermelhadas por uma vaso dilatação e aumento do fluxo sanguíneo na pele ou,ao contrario, ficam com uma palidez intensa, principalmente facial. Quanto a hematomas sem ter se machucado não tenho informações a respeito,acreditando que normalmente existe algum traumatismo que o provocou e tenha passado desapercebido.

Por que a pele reage a questões emocionais? O que acontece no organismo? 

Nada afeta mais a autoimagem da pessoa e, consequentemente, sua auto valorização do que os eventos cutâneos. 

Como a pessoa pode reconhecer as doenças de pele causadas por questões emocionais? 

Pele  e o sistema nervoso estão intimamente relacionados. Sua origem embrionária é a mesma e a pele informa permanentemente o sistema nervoso do que ocorre no ambiente que cerca o ser humano. E recebe impulsos do sistema nervoso, que funciona por influência da mente, sobre como comportar-se. Qualquer alteração referente a isso pode gerar problemas dermatológicos induzidos por fatores emocionais e vice-versa.  O nosso  organismo possui um grande sistema constituído dos sistemas nervoso, endócrino e imunológico, que agem integradamente e que são acionados pelos pensamentos; e levadas e trazidas por transmissores produzidos pelas células imunitárias,  formando um sistema de comunicação bidirecional. Essa integração faz com que tudo o que se passa na mente cause uma impressão no corpo e tudo o que se passa no corpo seja percebido pela mente. Não é possível separar uma parte da outra, porque elas formam um conjunto. Por essa ração não podemos separá-las e tratá-las individualmente e,  consequentemente, a medicina de hoje é voltada  para o corpo e para a mente. 

Como deve ser o tratamento? 

Nesse contexto, os procedimentos dermatológicos e cosmiátricos assumem uma posição importante na atualidade. Além de cuidarem de corrigir imperfeições, objetivam proteger a normalidade da pele e melhorar seu desempenho. Isso tem um profundo efeito no psiquismo da pessoa, que, na medida em que se sente bem consigo mesma, reduz as tensões e modula o sistema imunitário, obtendo, assim, melhor saúde. O  dermatologista atual procura  obter o máximo de conhecimento na interação entre essas áreas e desenvolver habilidades capazes de fortalecer a confiança do seu paciente em seus próprios recursos, a gostar de si próprio e aceitar-se como é e torná-lo um participante ativo na busca da cura e da vida saudável.
Fonte: Apele Dermatologia

Prof. Dr. João Roberto Antonio
CRM: 11784 SP
Professor Emérito de Dermatologia da Faculdade Estadual de Medicina;
Chefe do serviço de dermatologia do Hospital de Base de São José do Rio Preto - SP
Para comentar você precisa ter cadastro no site ou entrar.